Youtube impõe restrições ao documentário 'Xadrez da Ultradireita', narrado por Luis Nassif

Comunicação
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O Youtube Brasil decidiu restringir o mais recente documentário lançado pelo GGN, o Xadrez da Ultradireita. Idealizado e narrado pelo jornalista Luis Nassif, a produção retrata a ascensão da extrema-direita mundial e a ameaça que o bolsonarismo constitui à democracia brasileira.

O Youtube comunicou, em 20 de setembro de 2022, que impôs restrições ao documentário que estava aberto ao grande público no canal TVGGN desde o dia 7 daquele mês. Uma restrição é por idade (para maiores de 18 anos) e outra de monetização (não gera receita com anúncios). As duas medidas consequentemente, impactam na audiência, pois configuram restrições de circulação ou alcance.

Cintia Alves I Jornal GGN

nassif

Ao contrário do que diz o Youtube, o documentário tem caráter jornalístico e não contém cenas “chocantes”, à exceção de imagens de armas ostentadas, inclusive, por integrantes da família Bolsonaro, no capítulo em que trata da ideologia armamentista pregada pela ultradireita.

O Youtube, aliás, admite armas de fogo e conteúdo violento quando estes são relacionados à indústria de games. Também promete que conteúdo jornalístico – que é o caso do documentário – pode justificar a não imposição de restrições. A TVGGN recorreu contra as duas medidas de restrição, porém, não teve sucesso.

Recentemente, o Youtube foi objeto de um estudo do NetLab, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que concluiu que a plataforma privilegia e impulsiona organicamente conteúdo favorável a Jair Bolsonaro, incluindo vídeos de canais como o da Jovem Pan, entre outros veículos alinhados aos extremistas de direita. As informações foram divulgadas por Patrícia Campos Mello na Folha de S. Paulo.

O documentário Xadrez da Ultradireita tem produção de Patricia Faermann e edição de Nacho Lemus. Foi financiado exclusivamente pelos leitores e seguidores do Jornal GGN nas redes sociais, por meio do site Catarse. Ainda é possível contribuir com a campanha de arrecadação clicando aqui.