Laurindo Leal Filho: As telas que nos cercam

geral
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times


Os nossos hábitos de consumo já são ostensivamente acompanhados na internet.

Basta clicar numa possibilidade qualquer de compra para choverem em nossos aparelhos ofertas similares vindas de todos os lados.

Mas isso é feito de forma quase explicita e, com pequena habilidade, podemos nos defender.

O perigo maior que nos aproxima das previsões de Orweel está no bombardeio de mensagens veiculadas pela televisão – seja através das emissoras tradicionais, seja por serviços audiovisuais específicos oferecidos, por exemplo, nos transportes públicos.

Contra esses ataques praticamente não há defesa.

Quantos de nós já tentamos ler um livro numa sala de espera de um consultório médico, num hospital ou num laboratório, e fomos impedidos pela concorrência do vozerio vindo da televisão, invariavelmente sintonizada na Globo? Ou, em menor escala, na Record ?

Outro dia, uma psicóloga, ao passar por esse tipo de experiência, dirigiu-se ao setor de reclamações de um hospital de São Paulo para pedir o desligamento dos televisores.

Recebida a portas fechadas, temia a funcionária encarregada de ouvi-la receber uma grave reclamação contra um médico ou atendente e, por isso, muniu-se de toda a seriedade que o momento exigia.

Ouvida a queixa com certa surpresa, aliviou-se e não deu muita bola.

Afinal televisores ligados em todos os cantos é tão natural que uma reclamação isolada não seria suficiente para mudar a situação.

E ficou por isso mesmo.

O incomodo de não poder ler ou simplesmente ficar sossegado, sem ser obrigado a ver e ouvir o que as TVs nos impõem é desagradável mas ainda não é o pior.

O que realmente nos aproxima das previsões de Orweel é o conteúdo das mensagens que nos bombardeiam de todos os lados.

Naturalizam o consumismo, a frivolidade, o apelo à violência e, principalmente, a adesão ao conservadorismo político nivelando o público segundo os interesses dos setores hegemônicos da sociedade.

Orweel previa que as rédeas desse sistema estariam nas mãos de um Estado totalitário, controlador através das telas da vida dos cidadãos.

No caso brasileiro as rédeas estão nas mãos dos grupos privados de comunicação, críticos ferozes dos governos populares e dóceis aliados dos conservadores, como é o caso do momento atual.

Deles dificilmente escapamos porque mesmo desligando os aparelhos de TV em casa, eles nos cercam no taxi, no ônibus, no metrô, nos bares, restaurantes, padarias e nas mais diferentes salas de espera.

O incômodo é tão grande que começa a despertar atitudes de enfrentamento indo além das reclamações pontuais, como a da psicóloga paulista.

Em Porto Alegre, a vereadora reeleita pelo Partido dos Trabalhadores, Sofia Cavedon, apresentou à Câmara Municipal um projeto de lei definindo o tipo de emissoras que podem ser sintonizadas em ambientes de alguma forma relacionados com o poder público.

Pela proposta só televisões públicas ou comunitárias seriam admitidas em salas de espera de repartições públicas, bancos, unidades de saúde e assistência social, escolas e instituições conveniadas com a prefeitura.

“Cada vez mais a programação das emissoras de televisão é voltada para temas como sexo, violência e conflitos pessoais e familiares. Uma criança que aguarda atendimento em um hospital conveniado com o SUS está exposta a assistir cenas de sexo, tiroteios e brigas, sem que os pais possam fazer nada”, justifica Sofia.

Ainda assim, ler continuará difícil.

Mas pelo menos deixaríamos de ser obrigados a agüentar, em nossas esperas, as Anas Marias Braga e os Datenas da vida.

*Laurindo Leal Filho integra o Conselho Consultivo do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé